Foto: LxMFF/Pedro Lopes

Lisbon Motorcycle Film Fest

 

Lisbon Motorcycle Film Fest

Levantar foi uma tarefa complicada. A noite anterior tinha sido dura e a almofada parecia não me querer largar. Só a esperança de ter um dia brutal me fez acordar.

O dia adivinhava-se triste e com ameaças constantes de chuva, mas nem isso me tirava a esperança naquele dia. 07h15 da manhã arranco para Leça. A Maria parecia estar como eu, animada, mas extremamente cansada. A viagem para Lisboa foi tranquila, rápida, e deu para pôr a conversa em dia. À Chegada o ânimo e a energia foram imediatos.

Primeiro objetivo, avistar um jovem de barba de nome Hugo Ramos, que nos ia levar ao destino pretendido. Chegámos ao carro e a animação dele era contagiante. Miguel Oliveira tinha acabado de brilhar com o 1.º lugar na II categoria do Moto GP.  A festa tinha começado. No cinema de São Jorge não conhecia praticamente ninguém, mas o cenário era magnífico, motas, pessoal com astral incrível e o cinema coberto de um conceito bem animador.

 

Screenshot 2018-09-04 02.56.43

Foto: LxMFF/Pedro Lopes

 

Dirigimo-nos ao auditório para assistirmos à corrida da primeira categoria da Moto GP. O ambiente melhorava à medida que o tempo passava e a Maria não parava de me apresentar pessoal, não podia deixar de me sentir em casa. O calor humano era visível e o à-vontade fazia parecer conhece-los á anos. Estava rendida, Lisboa tinha uma luz magnifica e as pessoas davam-me vontade de as meter ao bolso e de as trazer comigo para casa.

O almoço não podia ter corrido melhor, tive o prazer de o partilhar com o pessoal da REV. Gente gira, descontraída e com sentido de humor bem apurado, bem regado e animado, era inevitável não se ter prolongado. Quando demos por nós estávamos atrasados para o resto do programa dessa tarde.

Regressamos novamente ao cinema de São Jorge onde nos dirigimos ao auditório. A boa disposição continuava, assistimos a várias curtas-metragens. Trabalhos incríveis com testemunhos exemplares, experiencias únicas, algumas na primeira pessoa e todas elas com ideias e conceitos fortes. Umas em forma de documentário, outras de narrativa e comédia, perspetivas diferentes e oníricas.

Haviam curtas que eram fascinantes descrições de passeios realizados por aí, tais como “Winter Rider x Ton-Up Garage” e “Riders / Maria Riding Company”, com linguagens e perspetivas destintas. Outras foram baseadas no desenvolvimento do processo construtivo de uma mota tal como o “Bike Lovers”. São realidades diversas de experiencias fortes onde se nota a perfeita envolvência e dedicação dos intervenientes de forma integral. Aventuras distintas entre si que nos levam numa longa viagem, e dão um novo sentido a todos os momentos que temos em duas rodas. São projetos filmados em diferentes lugares do mundo onde se captam pequenos momentos e assuntos locais, que nos tocam a todos de forma geral, e a nós de forma mais particular porque todos eles são passados ao colo das nossas meninas. Igualmente presente no festival uma versão mais colorida, mas também competitiva, estava o filme “Shit Makers” cujo processo de criação consistia em procurar recriar algo mais divertido, e mostrar que uma curta pode ser um meio para contar uma história de animação.

Existem estilos e abordagens diferentes. Vídeos sensatos, divertidos e visualmente interessantes. De um enredo inspirador e com bandas sonoras apelativas. Performances hipnotizantes com um ambiente envolvente de destaque. O júri terá a missão dificultada na sua avaliação. Há talentos evidentes e uma vontade de fazer cinema muito estimulante. A síntese é a alma da curta, e estas, estavam fascinantes, são pequenos momentos de histórias variadas, mas cada uma com a sua própria identidade.

 

Screenshot 2018-09-04 03.02.45

 

Era inevitável sairmos de lá com uma vontade incontrolável de pegar na nossa menina e ir por aí. O tempo passava a correr, mas antes de seguir viagem ainda conseguimos uns bons momentos de convívio com o pessoal, mais uma vez bem regados com a companhia de Sailor Jerry. Shot aqui shot ali, o tempo passou e nem queríamos acreditar que tínhamos de ir embora.

Lisbon Motorcycle Film FesT tinha sido melhor do que alguma vez poderia ter imaginado.                                                                 A viagem de regresso pautava-se de um silêncio óbvio, pois ainda não estávamos cientes de que tinha terminado. O acalmar de toda aquela agitação demorou horas. Não podíamos estar mais agradecidos Manuel Portugal, Lisbon Motorcycle Film Fest e a todo o pessoal da REV que nos recebeu de forma tão familiar, assim como João e Nuno (Saudade), Maria Company, e Sailor Jerry.

Voltamos de coração cheio e com a certeza que para o ano estamos lá.

Pessoal:

Vamos estar no Timers com LMFF – CINEMA DRIVE IN by LISBON MOTORCYCLE FILM FEST.                                                 Sabado, após jantar e o pé de dança, damos inicio ao Timers Cine Drive in by LxMFF.                                                                 Uma tela destaca-se e vários curtas metragens para os amantes dos motores, fazem o fecho do cenário da noite.

 

Filipa Gomes
filipa@foxy-riders.com
No Comments

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: