fullsizerender

Desejos de uma grávida!!

Há três meses que não ando de moto, há três meses que não me liberto dos desafios da vida desta maneira, pois muitas vezes em cima da minha máquina que chego a resoluções.

screen-shot-2016-09-28-at-16-32-05

Têm sido meses desafiantes, emocionais e para quem não gosta de estar parado é muito complicado ter o nosso corpo a obrigarmo-nos a parar e o médico sempre que fala a dizer “repouso”. Têm sido tempos de introspeção, alguma ou muita frustração e de grande aprendizagem. A vida mudou completamente, faz questionar tudo, a pessoa que sou, a pessoa que gostava de ser para esta criança que vai chegar no próximo mês e o “eu” mais profundo que me faz olhar para o espelho e não reconhecer quem lá está. Tudo isto com as emoções a fervilhar à flor da pele.

Que saudades tenho de fazer algo tão simples como andar de moto, não é que não o consiga fazer, porém é um risco que não quero correr aos 8 meses de gravidez. Desejo de sentir o vento na cara e aquela sensação unica de liberdade. Uma coisa posso dizer, estou muito grata por toda esta vivência, faz dar mais valor a tudo na minha vida. Acredito que o dito “estado de graça” tem a ver com o milagre incrível de gerar vida, de todos os desafios que este estado nos traz e a todas as pessoas que temos na nossa vida. Muito grata por tudo!
screen-shot-2016-09-28-at-15-30-46

Desejo tanto conhecer a Gabriela e te-la nos meus braços, saber que está tudo bem com ela. Começar a conhece-la! De criar uma relação para a vida e em amor. Porém assim que possa vou rolar em duas rodas porque também estou cheia de desejos!! 😉

Maria Duarte
maria@foxy-riders.com

Designer, fotógrafa e relação publicas. Tenho uma enorme paixão por motos e desportos radicais. Amo a forma como me fazem sentir! De tal maneira que o meu veiculo do dia a dia é uma BMW F800 e, para mim, escrevo para a melhor revista de motos portuguesa, a REV Motorcycle Culture, onde tenho a oportunidade única de experimentar novas motos, conhecer novos construtores e viver a minha paixão como forma de vida. A culpa foi do meu pai, que um dia chegou a casa com uma Harley Davidson e eu, miúda dos meus 6 ou 7 anos fiquei apaixonada para toda a vida. Aos 10 anos comecei a conduzir motos, mas como não tinha a minha, cheguei a “roubar” a moto do meu jardineiro. Por pensar e agir de forma muito própria, percebi muito cedo que sou responsável pela minha felicidade e que normalmente nada tem a ver com o que a sociedade nos incute, ganhei do meu pai a alcunha de “a rebaldeira”. Também porque adoro experimentar novas actividades e testar os meus limites, apesar de ser muito feminina, gosto de muitos desportos que são considerados, desportos ou actividades masculinas. Para mim, preconceitos! Algo que se manteve constante em toda a minha vida, passear de moto por um dia ou mais sem destino, só guiada pelo meu espirito aventureiro, ainda é das minhas coisas preferidas da vida!

No Comments

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: